Itapecerica da Serra Últimas Notícias

Prefeitura de Itapecerica da Serra fecha parque da Represinha por causa da febre amarela

Nely Rossany, Gazeta de São Paulo

A Prefeitura de Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo, decidiu fechar o Parque da Represinha, no Jardim Sampaio. O local ficará fechado temporariamente para visitação e de acordo com a prefeitura, a medida é uma prevenção de saúde em virtude da campanha contra a febre amarela no município.

A cidade não registrou nenhum caso de febre amarela em humanos, mas a crescente morte de macacos em decorrência da doença tem assustado os moradores. De acordo com o último balanço da Vigilância Epidemiológica, 21 macacos morreram por causa do vírus na cidade.

Vacina
Os moradores começaram a ser vacinados contra a doença em dezembro. Mais de 60 mil doses já foram aplicadas. “Estamos vacinando a população como forma de prevenção. Estão sendo aplicadas de 3 a 4 mil doses diárias. Não há motivo para pânico pois as medidas estão sendo tomadas”, explica Dr. Milton Parron, coordenador da Vigilância Epidemiológica de Itapecerica da Serra.

Todas as unidades básicas de saúde da cidade estão disponibilizando a vacina. Crianças a partir dos 9 meses de idade e adultos até 60 anos podem se vacinar. A vacina não é contraindicada para pessoas mais velhas, mas exige uma orientação médica. Salvo indicação do médico, a vacina não é recomendada para gestantes e mulheres que estão amamentando crianças com menos de 6 meses, alérgicos ao ovo, pessoas com imunidade baixa (portadores de HIV, por exemplo), transplantados ou pacientes submetidos à quimioterapia ou radioterapia.

Transmissão
Além da vacinação, convém passar repelente e adotar outras medidas que evitam a picada do mosquito. Atualmente, há registro apenas de transmissão pelos mosquitos Sabethes e Haemagogus, que levam o vírus da febre amarela do macaco para o ser humano. Mas é possível que o Aedes aegypti pique um indivíduo infectado e transmita a doença – seria a chamada urbanização da febre amarela, o que não ocorrre há décadas no Brasil.

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *